Macau e os Países de Língua Portuguesa mantêm estreitas relações seculares históricas e culturais, têm um sistema administrativo e legal da mesma matriz e Macau partilha ainda com os Países de Língua Portuguesa a língua portuguesa consagrada, na RAEM, por um sistema oficial de bilinguismo em chinês e português.

Os residentes de Macau são íntimos conhecedores das tradições e culturas do Interior da China e dos Países de Língua Portuguesa e os empresários de Macau possuem um bom conhecimento dos mercados da China e dos Países de Língua Portuguesa. Estas vantagens contribuem para o aprofundamento do papel de Macau como a plataforma de serviço entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Com o grande apoio do Governo Central da China, dos Países de Língua Portuguesa e do Governo da RAEM, quatro edições da Conferência Ministerial do Fórum de Macau foram realizadas, na RAEM, com notório sucesso. O estabelecimento, em Macau, do Secretariado Permanente do Fórum de Macau e do seu Centro de Formação, a participação de Macau no “Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa” e a construção dos “3 Centros” destacam ainda mais o papel de Macau como a plataforma de serviço para a cooperação comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Desde do estabelecimento da RAEM, seguindo os princípios de “Um país, dois sistemas”, “Macau governado pelas suas gentes” e um “Alto grau de autonomia” e os demais princípios consagrados na Lei Básica, a economia da RAEM tem evidenciado um desenvolvimento rápido, assegurando uma boa qualidade de vida para os residentes assim como estabilidade, paz e uma convivência harmoniosa entre as comunidades que compõem a sociedade de Macau.

A RAEM é cada vez mais conhecida no mundo. De acordo com o 12o Plano Quinquenal do Governo Central, as Linhas Gerais do Planeamento para a Reforma e Desenvolvimento da Região do Delta do Rio das Pérolas, o Acordo-Quadro de Cooperação Guandong-Macau, bem como o acordo CEPA e outras directivas visando o desenvolvimento da Região Administrativa, o Governo da RAEM tem promovido empenhadamente a criação do Centro Mundial de Turismo e de Lazer e o desenvolvimento acelerado da Plataforma de Serviço para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa participando activamente na cooperação regional e internacional, incluindo a consolidação da cooperação com os Países de Língua Portuguesa.

Diversos serviços do Governo da RAEM, como o Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, o Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau, a Direcção dos Serviços de Economia, a Direcção dos Serviços de Turismo, o Instituto Cultural de Macau e também o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais têm participado do esforço para o desenvolvimento do papel de plataforma de serviço para a China, Macau e os Países de Língua Portuguesa.

Por razões históricas, Macau tem mantido contactos com os Países de Língua Portuguesa, com a União Europeia e os Países da América Latina nos campos da economia, cultura, direito e sociedade. Macau tem-se destacado como um pólo para a promoção do ensino das línguas chinesa e portuguesa, formando talentos bilingues nestas línguas. Muitos residentes de Macau são profundos conhecedores da cultura, religião, tradições e costumes dos Países de Língua Portuguesa e da China e têm boas relações pessoais com os Países de Língua Portuguesa. Várias pequenas e médias empresas de Macau têm conseguido aproveitar as suas próprias vantagens para desenvolver laços de cooperação com os Países de Língua Portuguesa. Algumas empresas já estabeleceram parcerias comerciais de longa duração. Macau é fortemente incentivado a desempenhar um papel de longa duração enquanto ponte e plataforma.

O Governo da RAEM procurou sempre estimular e apoiar as pequenas e médias empresas na sua cooperação com os Países de Língua Portuguesa, incentivando o tecido empresarial a melhor aproveitar as vantagens locais como os seus talentos bilingues em língua chinesa e portuguesa na área de serviços, tais como assessoria e consultoria jurídica, serviços de tradução em assuntos ligados aos temas de agricultura, pescas, recursos naturais, ensino de língua, serviços culturais, bancários, seguros, de engenharia, electricidade, indústria farmacêutica, processamento de carne, logística, serviços clínicos, telecomunicações e teledifusão, construção, informações, restaurantes, entre outros.

As empresas podem entrar no mercado da Europa através de Portugal, entrar no mercado da América do Sul através do Brasil, bem como explorar o mercado da África através de Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique e entrar no mercado da ASEAN através de Timor-Leste.

Macau tem apoiado as empresas na procura de parceiro do Interior da China e dos Países de Língua Portuguesa, disponibilizando informações, consultando as comunidades, as associações e as câmaras comerciais lusófonas sediadas em Macau, pequenas e médias empresas de Macau, bem como as empresas dos Países de Língua Portuguesa e do Interior da China, dando apoio na realização de actividades económicas, comerciais e culturais.

Macau tem também mantido contactos estreitos com o Interior da China e os Países de Língua Portuguesa, reforçando as próprias vantagens de Macau, consolidando sempre o papel de Macau como a plataforma para cooperação comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa e ainda aprofundando o seu papel como ponte de ligação.