Outras Informações

Apresentação dos Projectos do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa realizou-se com sucesso em Lisboa

No dia 17 de Junho do corrente ano, o Seminário sobre a Economia e Comércio da China, Portugal e dos Países de Língua Portuguesa – Sessão de Apresentação dos Projectos do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa realizou-se no auditório da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal em Lisboa.

O Seminário apresentou 2 temas principais, o Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, bem como o ambiente de investimento e do comércio da China.

A Vice-Ministra do Comércio da China, Dra. Gao Yan participou e discursou no Seminário sobre o comércio da China e dos Países de Língua Portuguesa em Lisboa.

O Director-Geral da Companhia de Gestão do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, Dra. Jin Guangze, a Coordenadora do Gabinete de Apoio do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dra. Echo Chan, a Delegação de Comércio e Económica da China, o responsável da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Dr. José Vital Morgado, os empresários da China e de Portugal, bem como o responsável do Jornal “Diário dos Todos” debruçaram-se com profunda atenção sobre os temas sobre a cooperação económica e comercial, assim como o investimento entre a China, Portugal e os Países de Língua Portuguesa.

O Fórum sobre o comércio e economia da China e dos Países de Língua Portuguesa começou pelas 15:00 horas. O responsável da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Dr. José Vital Morgado, dirigiu palavras de calorosas boas-vindas à Vice-Ministra do Comércio da China, Dra. Gao Yan, ao Director-Geral Adjunto do Departamento dos Assuntos de Taiwan, Hong Kong e Macau do Ministério do Comércio da China, Dr. Sun Tong, ao Director-Geral Adjunto do Departamento dos Assuntos de Europa do Ministério do Comércio da China, Dr. Ma She, bem como os membros da delegação económica e comercial da China por ocasião da sua visita a Lisboa.

O responsável da AICEP referiu que, para Portugal, a China é um mercado importante com um significado estratégico. Os portugueses desejam consolidar as relações bilaterais económicas e comerciais com a China. Através de Macau, pretende-se ainda aprofundar os contactos históricos e culturais de longa história de relacionamento entre os dois países.

O ano de 2015 marca o 10º aniversário do estabelecimento entre a China e Portugal de uma relação de parceria estratégica global. Portugal é um dos 5 países da União Europeia que têm a relação de parceiro estratégico global com a China. A cooperação importante estratégica tem origem na relação histórica e cultural entre a China e Portugal e está beneficiada pelos contactos entre o Portugal e os Países de Língua Portuguesa.

A China tem intensificado a cooperação económica e comercial e os contactos com os Países de Língua Portuguesa da África. As empresas de Portugal conhecem bem o mercado económico e comercial dos Países de Língua Portuguesa da África e do Brasil. Tudo isto abre janelas de oportunidades para as empresas de Portugal, bem como contribui activamente para a cooperação económica e comercial bilateral.

No discurso da Vice-Ministra do Comércio da China, Dra. Gao Yan, foram sublinhados os ricos resultados alcançados pelo Fórum de Macau desde a sua criação, em 2003. O Fórum utiliza a língua portuguesa como laço, consolidando continuadamente a cooperação de investimento e contactos nas vertentes do comércio, investimento, educação entre a China e Portugal, bem como os Países de Língua Portuguesa.

O volume das trocas comerciais bilaterais tem vindo a aumentar rapidamente. Em 2014, as trocas comerciais bilaterais entre a China e os Países de Língua Portuguesa atingiram 132,34 mil milhões de dólares americanos, representando uma subida na ordem de 12.4 vezes em comparação ao ano de 2003, ano em que o Fórum de Macau foi criado. Actualmente, a China é o segundo maior parceiro comercial dos Países de Língua Portuguesa, sendo o maior parceiro comercial do Brasil e Angola, o maior parceiro comercial de Portugal na Ásia.

O investimento dos Países de Língua Portuguesa na China também aumenta de forma sustentada. Por outro lado, o investimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa expande continuadamente, os âmbitos de investimento também estão a aumentar, sendo que a forma de investimento torna-se mais diversificada.

No início da criação do Fórum de Macau, as áreas de cooperação eram apenas 7, actualmente são 17, incluindo as áreas intergovernamental, comercial e de investimento e empresarial, agrícola, de infra-estrutura, de recursos naturais, de educação e recursos humanos, de turismo, de transportes e comunicações, financeira e cultural, entre outras.

Em termos de cooperação entre a China e os Países de Língua Portuguesa, a Dra. Gao Yan referiu que a complementaridade económica entre a China e Portugal é forte, para além do potencial de cooperação de investimento ser enorme. Nos últimos anos, Portugal, como o mercado importante para as empresas da China iniciarem a cooperação de investimento na Europa, a cooperação bilateral de investimento tem aumentado rapidamente. As empresas tiveram sucesso na exploração de projectos de investimento em Portugal nos últimos anos, sendo isto ponto de atenção na cooperação económica e comercial entre os dois países.

Conforme as estatísticas da China, até ao final de 2014, o investimento real da China em Portugal atingiu 6,217 mil milhões de dólares americanos, incluindo aquisição de Energias de Portugal pela China Three Gorges Corporation, aquisição de Redes Energéticas Nacionais pela State Grid Corporation of China, aquisição de negócios de seguro da Caixa Geral de Depositos S.A. de Portugal pela Fosun International, entre outros.

Com vista a melhor fomentar a cooperação de investimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, foi criado em 2013, o Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa no enquadramento do Fórum de Macau. Por outro lado, Macau, como a plataforma importante para a cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa também vai continuar a desempenhar um papel importante.

A Directora-Geral da Empresa de Gestão do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, Dra. Jin Guangze, apresentou aos convidados o processo de desenvolvimento e situação geral do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. A responsável referiu que o Fundo tinha sido anunciado na 3ª Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa em 2010, a fim de desempenhar as vantagens específicas da China e dos Países de Língua Portuguesa, promover a cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa em grande escala, constituindo o Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa com um montante de mil milhões de dólares americanos.

O Fundo está virado para as áreas de investimento e necessidades de financiamento das empresas chinesas e dos Países de Língua Portuguesa, promovendo o crescimento das empresas e o desenvolvimento global, iniciando o aumento económico dos vários países, com a ligação de capital. A constituição do Fundo é uma medida importante para incentivar e aprofundar a cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa. E o objectivo de investimento do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa é o apoio à cooperação de investimento entre as empresas da China e dos Países de Língua Portuguesa, orientando o investimento directo das empresas dos países participantes, promovendo o desenvolvimento económico e social.

A Coordenadora do Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dra. Echo Chan apresentou aos convidados o Portal para a Cooperação na Área Económica, Comercial e de Recursos Humanos entre a China e os Países de Língua Portuguesa, bem como a situação geral do Fórum de Macau. Referiu que o citado Portal entrou em funcionamento em Abril de 2015.

O Portal que proporciona as informações sobre os bilingues de língua chinesa e portuguesa, situação da economia e comércio da China e dos Países de Língua Portuguesa e produtos alimentares dos Países de Língua Portuguesa é um portal no domínio da cooperação económica e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, e também disponibiliza as informações actualizadas na área de convenções e exposições, dados das trocas comerciais e legislação de negócios locais, entre outros, para que as empresas possam obter, de forma simples, as informações relativas à China, Países e Zonas de Língua Portuguesa, a fim de reforçar os intercâmbios, criar as oportunidades de negócios.

O Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa em que Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal e Timor-Leste participaram foi constituído em Outubro de 2003, em Macau, sendo um mecanismo de cooperação económica e comercial multilateral com o objectivo da promoção e desenvolvimento económico e comercial, com o fim de reforçar o intercâmbio económico e comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, desempenhar o papel de Macau como uma plataforma económica e comercial ligada à China e Países de Língua Portuguesa, fomentar o desenvolvimento comum entre o Interior da China, os Países de Língua Portuguesa e Macau.

Na Sessão de Perguntas e Respostas, a Directora-Geral da Empresa de Gestão do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa, Dra. Jin Guangze e a Coordenadora do Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dra. Echo Chan, responderam aos jornalistas e empresários. Dezenas de pessoas participaram na Sessão de Apresentação do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa.

Fonte: Diário dos Todos/Notícia de Portugal