Notícias do Fórum de Macau

Abertura da Exposição do Artista Plástico de Angola do ciclo de exposições “Policromias Lusófonas”

Reforço do intercâmbio cultural com o aproveito da Plataforma de Macau

Realizou-se em 14 de Dezembro, terça-feira, pelas 18h30, no Complexo da Plataforma de Serviços para a Cooperação Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, a cerimónia de inauguração da Exposição “ANGOLA – MEU AMOR” do artista angolano, Álvaro Macieira, organizada pelo Secretariado Permanente do Fórum de Macau, no ciclo de exposições “Policromias lusófonas”, decorrentes da 13.ª Semana Cultural da China e dos Países de Língua Portuguesa.

A cerimónia de inauguração contou com a presença de vários convidados de honra, nomeadamente o Secretário-Geral Adjunto do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dr. Paulo Jorge do Espírito Santo, o Cônsul-Geral de Angola na RAEM, Embaixador Eduardo Velasco Galiano, o Cônsul-Geral de Moçambique na RAEM, Embaixador Rafael Custódio Marques, o Coordenador do Gabinete de Ligação do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dr. Nuno Furtado, a Coordenadora do Gabinete de Apoio ao Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Dra. Teresa Mok, e o Presidente da Associação de Angola Macau, Dr. Alexandre Correia da Silva. O artista angolano, Sr. Álvaro Macieira, por sua vez, participou de forma online.

O Secretário-Geral Adjunto Dr. Paulo Jorge do Espírito Santo enalteceu no seu discurso a trajetória notável de Álvaro Macieira, artista maior de Angola, também escritor, antigo jornalista, com um pouco etnógrafo e muito de mitologista, que tem percorrido e redescoberto mitos e formas arcanas com que debuxa em traços fascinantes as ancestralidades com que se teceu a diversidade das culturas angolanas. 

Outrossim, manifestou a todos os colaboradores do Secretariado Permanente do Fórum de Macau, Delegados e Artistas uma penhorada e sincera gratidão pelo trabalho realizado na execução das nove exposições ínsitas ao ciclo do presente ano das Policromias Lusófonas, apesar de todos os desafios colocados, desde logo pela pandemia de COVID 19. Mereceu por parte do mesmo especial reconhecimento público ao trabalho levado a cabo com notável brio e competência pela curadora de todas as exposições, Dra Lina Ramada.

Terminou renovando a expectativa de todos continuarem a dar o seu melhor em prol do reforço da cooperação China- Países de Língua Portuguesa, com cada vez mais estruturada ancoragem em Macau como plataforma de ligação entre uns e outros.

O Cônsul-Geral de Angola na RAEM, Embaixador Eduardo Velasco Galiano afirmou no seu discurso que, a arte contemporânea angolana tem evoluído significativamente graças aos esforços de uma importante nata de criadores que estabeleceram as bases sólidas para o seu crescimento harmonioso. Foram estes artistas que criaram a UNAP- União Nacional de Artistas Plásticos, instituição que tem impulsionado o desenvolvimento a arte contemporânea, e que tem hoje criadores que orgulham o país, participando em inúmeras exposições que acontecem em Angola e em várias cidades do mundo.

O artista angolano Álvaro Macieira nasceu na Província de Uíge, no Norte de Angola. É artista plástico, escritor, e antigo jornalista e consultor cultural. Dedicou-se, durante muitos anos, à investigação dos vários aspectos da vida cultural angolana. Em 2002 conquistou o Primeiro Prémio de Pintura EnsArte, o maior galardão das artes plásticas de Angola, e ainda o prémio “Melhor Pintor do Ano” patrocinado pela Revista Tropical e pela Televisão Pública de Angola. Ao longo dos vinte anos de atividade pictórica intensa, o artista fez 40 exposições individuais e participou em mais de quarenta mostras coletivas em diversos países, em todos os continentes. É autor da insígnia e da Bandeira da Assembleia Nacional de Angola, e de dois selos de correio, sendo um em alusão à Paz em Angola e outro em comemoração do “Dia de África”. As suas pinturas integram múltiplas colecções particulares e públicas, em Angola e no estrangeiro.

A exposição das obras das artes plásticas “Angola – Meu Amor” que serve para homenagear a China e Angola através da Plataforma de Macau, nos seus esforços diplomáticos e económicos para estabelecer um diálogo cultural profícuo com os outros povos do mundo, especialmente com os habitantes de Macau. É a síntese de várias leituras e visões apaixonadas do artista Álvaro Macieira que enaltece e ama profundamente o seu país, inserido na multiplicidade e riqueza cultural de África. As obras, sendo de uma linguagem única, alegre e bela, oferecem a riqueza estética contemporânea e resumem a maturidade do artista.

A exposição é patente gratuitamente ao público entre os dias 14 e 30 de Dezembro, Terça-feira a Domingo, das 11H00 às 19H00, encerrando à Segunda-feira, na Galeria de Exposições do Complexo da Plataforma (Av. Dr. Sun Yat Sen, Baía da Praia Grande). No período de exposição serão igualmente realizados workshops ministrados pela Associação de Angola Macau, convidando os artistas para ensinar a produção dos brinquedos tradicionais, incluindo Bonecos Samakaka e máscaras com decorações de pintura e colagem, de modo a oferecer uma série de experiências únicas para conhecer as culturas tradicionais de Angola.

Sejam todos bem-vindos a desfrutar da exposição. A fim de garantir a saúde pública, os visitantes devem cumprir as providências de controlo de circulação de pessoas no local, bem como estar munidos de máscara própria e submeter-se à medição da temperatura corporal, apresentando o Código de Saúde pessoal do dia. Para mais informações sobre a 13ª Semana Cultural da China e dos Países de Língua Portuguesa, é favor consultar a página electrónica: https://semanacultural.forumchinaplp.org.mo/.