Angola, actualmente o quarto maior produtor e lapidador de diamantes do mundo, atrás da Rússia, Botswana e Canadá, quer subir ao terceiro lugar da lista, avançou a Xinhua.

O objectivo foi revelado pelo Presidente da Empresa Nacional de Diamantes de Angola (Endiama), José Manuel Ganga Júnior, numa conferência de imprensa realizada na segunda-feira.

“Temos vindo a trabalhar com grandes empresas de diamantes de todo o mundo para adicionar maior valor ao sector”, disse o responsável da diamantífera estatal angolana, citado pela agência noticiosa estatal chinesa.

José Manuel Ganga referiu que a exploração semi-industrial de diamantes vai ser descartada em Angola, com a aposta em operações modernas, para reforçar a competitividade, transparência e eficiência do país neste sector.

Segundo o África 21 Digital, a Endiama revelou na conferência de imprensa que a produção angolana de diamantes se quedou por 9,09 milhões de quilates em 2019, 4,8 por cento abaixo do previsto.

Após as vendas terem atingido US$1,26 mil milhões –um aumento de 10 por cento – no ano passado, a Endiama acredita que possam chegar a US$1,66 mil milhões em 2020 e já fixou uma meta de US$2 mil milhões para 2022, refere o portal noticioso.