O Governo brasileiro anunciou na quinta-feira ter chegado a acordo com a China sobre as tarifas adicionais aplicadas ao açúcar importado e que por isso já não vai levar o assunto à Organização Mundial do Comércio (OMC).

Num comunicado, os ministérios brasileiros dos Negócios Estrangeiros e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento disseram que, “tendo em conta os termos deste entendimento, (…) não haverá necessidade de criar um painel na OMC”.

De acordo com a Reuters, a União brasileira da Indústria de Cana-de-Açúcar revelou num comunicado divulgado na terça-feira que a China concordou em não renovar as tarifas adicionais, que expiram em Maio de 2020.

Segundo a agência noticiosa, a China implementou em Maio de 2017 uma tarifa adicional de 45 por cento ao açúcar importado acima de uma quota de 1,94 milhões de toneladas, para proteger os produtores chineses face à queda do preço do açúcar.

A tarifa adicional levou a uma queda significativa das exportações brasileiras de açúcar para a China, refere a notícia.